top of page
Buscar

"Emergência Climática não é acadêmica, é real", afirma Embaixador da RGB em palestra na ONU, em Nova York



Em palestra de encerramento da apresentação da ferramenta ClimateScanner, nesta terça-feira, na sede da ONU em Nova York, o Embaixador da RGB e Ministro do Tribunal de Contas da União, Augusto Nardes chamou atenção dos países para a importância de ações e controle das alterações climáticas “analisando o passado, do tempo em que construímos o que é hoje o presente e o que amanhã será nosso futuro”.

Augusto Nardes lembrou que, “em 2013, o Programa das Nações Unidas para o Ambiente, (PNUMA), afirmou em um relatório que as alterações climáticas eram reais e que as atividades humanas eram a principal causa. Hoje a população mundial é de 10 bilhões de pessoas. Em 2050 seremos mais de 10 mil bilhões. Mais 2 bilhões em menos de um quarto de século”.


De acordo com o Ministro, “em 25 anos teremos um crescimento demográfico igual ao que a humanidade levou quase dois mil anos para alcançar e o impacto deste aumento dramático será certamente sentido no clima, no ambiente. De onde virão os alimentos para abastecer esta população de 10 bilhões? É possível perceber que a emergência climática não é uma questão acadêmica, é real, como descreveu o PNUMA há onze anos, e que tem impacto na vida quotidiana dos cidadãos do mundo”.


Para Augusto Nardes, “é preciso uma mudança cultural para enfrentar este imenso desafio. O mundo percebeu que a abordagem dos problemas de natureza global e transfronteiriça, como a biodiversidade e as alterações climáticas, exigiria ações coordenadas e deveria ter uma estrutura de governança global, começando pelas convenções internacionais que tratam destas questões”.


O Embaixador, quando assumiu a Presidência da Organização Latino-Americana de Entidades Fiscalizadores Superiores, (OLACEFS), investiu pesado na realização de trabalhos conjuntos, como o que foi realizado sobre a questão das áreas protegidas, com teve início em 2014 nos países da América Latina que compartilham a Amazônia, e em 2019 foi estendida a países europeus, como Espanha e Portugal.


Ainda segundo o Ministro, “o evento realizado nestes dois dias, na ONU, foi extremamente produtivo. Cada uma das sessões, organizadas em torno dos principais aspectos que compõem a metodologia CimateScanner, trouxe considerações importantes a ter em conta nas avaliações que serão realizadas. Foram progressos consideráveis, uma metodologia de avaliação consistente finalizada e uma plataforma web pronta para receber os dados e exibir os resultados”.


Em complemento, Augusto Nardes disse que “o futuro ainda não está construído. Os desafios que existem pela frente ainda exigem unidade, esforço e atenção de cada um dos países. É necessário envolver o maior número possível de Instituições Superiores de Controle para utilizar a ferramenta, treinar os auditores envolvidos para realizar esta aplicação e, posteriormente, cada ICS deve efetivamente realizar a avaliação em seu país".




Ainda, em sua palestra, Augusto afirma “estou muito feliz. A semente que plantamos em 2012/13, auditorias coordenadas vão servir de modelo para vários países que estarão aderindo ao ClimateScanner. Nossa passagem aqui na ONU foi coroada de sucesso. Fomos procurados por representantes de Instituições Superiores de Controle que queriam mais detalhes sobre a ferramenta que lançamos. Precisamos agir em relação às ações de controle do clima no planeta”.


Destacou que “foi um passo gigantesco a adesão de 69 ISCs. Esperamos que mais países se engajem nesta empreitada e queremos chegar à COP com a adesão de, no mínimo 100 países. Temos que auditar o que está sendo realizado ou não. O problema do clima é real e isso afeta a todos. Temos que nos preocupar com o futuro das nações”.


Segundo Augusto Nardes, “o ponto de partida foram as auditorias coordenadas que realizamos. Quando assumi a Presidência da Organização Latino-Americana de Entidades Fiscalizadoras Superiores, (OLACEFS), investi fortemente na realização dos trabalhos conjuntos, como o realizado sobre a questão das áreas protegidas, que teve início em 2014 nos países da América Latina que compartilham a Amazônia, e em 2019 estendeu-se a países europeus, como Espanha e Portugal“.


Para o Ministro, “agora temos à nossa disposição um instrumento de grande valia que vai permitir uma avaliação sistemática dos mecanismos de governança climática a nível global. Com ela evidenciaremos os maiores pontos fortes e os maiores desafios em termos de ação climática governamental, tanto a nível nacional como internacional“.


Augusto Nardes disse que “De forma colaborativa poderemos dar nossa contribuição para melhorar as ações governamentais de enfrentamento às mudanças climáticas na direção do desenvolvimento sustentável. É necessária uma mudança de cultura para enfrentar esse imenso desafio da emergência climática”.


O Embaixador da RGB revelou números preocupantes, como a questão do aumento populacional, “Hoje temos 8 bilhões de pessoas. Em 2050 seremos 10 bilhões. Mais de 2 bilhões em menos de um quarto de século. Em 25 anos haverá um crescimento demográfico igual ao que a humanidade levou quase dois mil anos para alcançar“. Ele ainda questionou sobre “De onde virão os alimentos para abastecer esta população de 10 bilhões? Isso é uma mostra real de que a emergência climática não é apenas uma questão acadêmica, ela é real e tem impacto na vida quotidiana dos cidadãos do mundo”.


Finalizando, Augusto Nardes enfatizou que “Somente juntos o mundo poderá superar este desafio“.



Andrade Junior - Comunicação RGB


Comments


bottom of page