Buscar

Em parceria com a CNI, RGB lança Comitê de Governança para a Indústria

Atualizado: há 4 horas


Foto: Lançamento Comitê de Governança para a Indústria


Com grande representatividade, o setor industrial é umas das áreas que mais emprega, oferece maior volume de inovação e tecnologia e traz geração de renda para o Brasil. Nesse contexto, a Rede Governança Brasil, com o apoio do Instituto Latino-Americano de Governança e Compliance Público, promoveu nesta terça-feira (02.05), em Brasília, o lançamento do Comitê de Governança para a Indústria, que será coordenado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).


O novo comitê da RGB tem como objetivo incluir as contribuições do setor industrial para o fortalecimento da pauta de governança no Brasil. Umas das principais entregas para 2022 será a realização de diagnósticos voltados para os níveis de maturidade da governança e integridade no ambiente de gestão do setor produtivo.


Em 2020, o Brasil contava com 467.744estabelecimentos industriais, dos quais 71,5 % são micro empresas, 22,3% pequenas, 5 % médias e 1,2% grandes, de acordo com dados da CNI.


Para o presidente da CNI, Robson de Andrade, governança e compliance são palavras de ordem em todos os setores da economia, governo e atividades empresariais e públicas no Brasil. “É importante demais que tenhamos um olhar mais dedicado para o setor industrial e que possamos, através de um comitê como esse, divulgar para as indústrias as ações que devem ser feitas, programas, projetos e a importância de uma governança bem feita para que a gente possa continuar desenvolvendo a indústria do ponto de vista ético e de integridade”, observou.


O presidente da CNI disse ainda que a Rede está fazendo um trabalho importantíssimo para unir todos os empreendedores, governo, estados e municípios em torno de projetos de governança.


O embaixador da RGB e ministro do TCU, Augusto Nardes, avaliou que trata-se de uma oportunidade de transformação necessária no ambiente de negócios. “Eu vejo um grande horizonte, porque a indústria é muito importante para nação, já que ela gera muitos empregos e riqueza. Nós estamos precisando de uma política mais agressiva na indústria do país, pois nós perdemos terreno nos últimos tempos”, enfatizou.


De acordo com o ministro, o Comitê de Governança para a Indústria vai sincronizar os trabalhos voltados para o setor com a liderança e fortalecimento da CNI à frente da articulação. “A governança vem para ajudar a Confederação Nacional da Indústria para que possamos agregar uma política de apoio a esse trabalho fantástico que o Robson já faz de fortalecimento da indústria. A parceria com a CNI é decisiva para fortalecer a nossa entidade para o conjunto da nação brasileira”, justificou.


Já o membro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e presidente da RGB, Flávio Feitosa, explicou que a Rede possui comitês com a participação de voluntários que dialogam sobre importantes temáticas e focam na entrega de resultados para sociedade. “Comitê da indústria não poderia ficar de fora. Esse momento que a RGB vai começar a atuar no contexto da indústria é de grande relevância não somente para RGB e indústria, mas também para Brasil. Esse momento de lançamento do comitê tem uma peculiaridade por estarmos lançando junto com um grande parceiro que é a CNI. Estamos começando com o pé direito...Com apoio e suporte da Confederação”.


Ainda conforme o presidente da RGB, as parcerias da entidade estão sendo importantes para atingir os resultados esperados. Atualmente, a Rede conta com parcerias do Movimento Brasil Competitivo (MBC), Conselho Federal de Contabilidade (CFC), Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Conselho Federal de Administração (CFA) e Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).


Já o diretor de administração e finanças da Valec e coordenador do Comitê de Governança e Estatais da RGB, Márcio Medeiros, comentou que a RGB está conseguindo abranger todas as temáticas de atuação da economia e funcionamento do país. “Com a entrada da CNI vamos conseguir abraçar as instituições que têm uma penetração na tomada de decisão do país. Um poder de influência fundamental. O que queremos é aprimorar a governança e disseminar as boas práticas em diversos segmentos, como indústria, comércio… setores público e privado”, explicou.




Comitê de Governança para a Indústria


A presidente da Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo (Findes) e coordenadora do Comitê de Governança para a Indústria da RGB, Cristhine Samorini, lembrou da expectativa da criação desse novo eixo temático da Rede. “Há cinco meses estávamos pensando como seria o início de um trabalho tendo um setor que tem muita representatividade no Brasil, em especial, número de empresas, representatividade de pessoas, colaboradores ligados ao setor industrial, onde começamos a pensar como isso deveria ser iniciado, principalmente porque é um plano que precisa ocorrer por etapas”, disse.


Durante a construção do plano foi feita uma mensuração para saber qual o estágio que a indústria brasileira entende sobre o tema de governança e atuação do processo dentro das empresas. Segundo Samorini, umas das primeiras ações do comitê, no segundo semestre deste ano, será o início do diagnóstico em diferentes segmentos da indústria.


Outro tema destacado pela presidente da Findes foi referente a notícias sobre a desindustrialização no país. “Temos alguns problemas históricos que precisam ser resolvidos, e um deles é o ambiente mais organizado dessas boas práticas que a governança traz e isso é um grande potencial. Há muito espaço para crescimento das indústrias no Brasil, porque gera maior número de empregos, renda e investimentos”, finalizou.


O encontro no estúdio da CNI contou também com a participação da diretora institucional da RGB, Elise Brites; a coordenadora do Grupo Mentoria e do Comitê de Capacitação da RGB, Cristiane Nardes; a coordenadora do Comitê de Desenvolvimento Sustentável, Renata Andrade; o coordenador do Comitê de Governança em Ciência, Tecnologia e Inovação, Walter Marinho; a coordenadora do Comitê Governança para o Desenvolvimento Social e Humano, Ivonice Campos; o diretor jurídico da CNI e voluntário da RGB, Cássio Borges; a coordenadora do Comitê de Governança para a Indústria, Mariana Covre.



A reunião está disponível nos canais do YouTube da RGB e CNI.



Assessoria de imprensa da RGB